Algumas funcionalidades do website poderão não funcionar correctamente, por favor active o Javascript no seu browser.

Cookies

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.

Fechar    Colégio Candidaturas Oferta Educativa Informações Alumnae Pais e Alunos
COLÉGIO MIRA RIO

Viagem de Finalistas 2017

 
"Realizou-se nos passados dias 14 a 18 de novembro a nossa viagem de finalistas, em Budapeste. Acompanhadas pelas professoras Conceição Morão e Maria de la Fuente, conhecemos a cidade, que descrevemos como arrebatadora, interessante e cativante. Com uma história complexa, marcada pelo domínio de regimes opressivos, Budapeste manifesta uma enorme riqueza cultural. Esteve submetida ao regime nazi e, depois, até 1991, à União Soviética. Curiosamente, apesar desse período negro da sua história, ainda são visíveis na cidade traços do imperialismo e grandiosidade do Império Austro-Húngaro. 
 
Explorámos a cidade e os monumentos que, apresentando fusões de vários estilos, retratam os períodos de ocupação e manifestam história e cultura, não só nacional como também internacional. Começámos a viagem com uma visita guiada por toda a cidade, durante a qual visitámos a carismática Praça dos Heróis, com estátuas dos líderes das sete tribos que fundaram a Hungria no século IX e de outras personalidades da história húngara, o Castelo de Buda, a Igreja de São Matias e o Bastião dos Pescadores.
 
Nos quatro dias seguintes, já sem guia, prosseguimos a descoberta dos vários patrimónios da cidade. Visitámos a Basílica de Santo Estêvão, onde está em exibição o punho mumificado do primeiro rei Húngaro (Santo Estevão I), que foi o grande impulsionador do Cristianismo no país. Conhecemos a Casa do Terror, um edifício onde em tempos se localizou o Quartel General do Partido nazi Arrow Cross e posteriormente a polícia comunista da União Soviética, agora transformado num museu repleto de testemunhos, documentários, documentos verídicos e impressionantes.
 
Embarcámos ainda numa viagem de barco de duas horas, na qual o panorama do rio foi o cenário para um passeio, à noite, durante a qual nem os 4 graus que se faziam sentir alteraram a beleza da cidade e daquele que é o segundo mais extenso rio da Europa. O passeio foi muito animado, ao som de música clássica tocada por músicos divertidos e simpáticos. A Catarina teve ainda a oportunidade de ser acompanhada pelos músicos, tendo sido a estrela de uma brilhante prestação de violino, mostrando o seu talento e vocação para a música.
 
Musical foi também o momento em que nos deparámos com uma demonstração de dança por um grupo de estudantes de uma escola de dança folclórica, num dos nossos passeios. No fim do dito espetáculo fomos inclusivamente convidadas a bailar com o grupo, protagonizando um momento muito divertido. De facto, ao contrário do que esperávamos, conhecemos um povo prestável e descontraído.
 
No penúltimo dia, algumas de nós aventuraram-se em banhos termais ao ar livre nas termas de Széchenyi, cuja água, que provém de duas fontes termais profundas, se encontrava a 30ºC, cerca de 22 graus mais quente que a temperatura exterior. Se apenas algumas conheceram as termas, pelo contrário todas conhecemos o rio Danúbio e as suas principais pontes, muito bonitas não só de dia, como também de noite, graças à sua incrível iluminação. 
 
Visitámos também a Igreja da Caverna que se localiza, literalmente, no interior de uma gruta, no lado de Buda.
 
Já no último dia, visitámos o Parlamento de Budapeste, o maior edifício da Hungria, que contém a Coroa de Santo Estêvão e outras relíquias. Após a visita ao Parlamento, visitámos o Memorial dos Sapatos à Margem do Danúbio. Este memorial homenageia os aproximadamente 600 000 judeus húngaros mortos na Segunda Guerra Mundial, muitos dos quais foram obrigados a descalçar os sapatos, momentos antes de serem fuzilados pelas costas, caindo para o rio e posteriormente levados pelas correntes fluviais. 
 
Toda esta vertente cultural não anulou a diversão inerente a uma viagem de finalistas. Vivemos momentos muito felizes entre compras, repousos no hotel, almoços e jantares com comida local ou nem tanto, cantorias nas ruas húngaras e conversas e gargalhadas, que guardaremos para a vida toda. A viagem foi marcada pela boa disposição das alunas e professoras, que proporcionou a todas uma semana inesquecível."
 
(Margarida F.)

Galeria